Categoria: Com a palavra o(a) leitor(a)

Sou uma gorda empoderada!

Quando eu comecei esse trabalho com Mozão, eu não sabia que ia repercutir tanto assim. Eu sempre me aceitei do jeito que eu sou, na minha família eu nunca sofri nem um tipo de preconceito sobre o tamanho do corpo. Mas, eu sofri muito na escola, era chacota do colégio, então parei de estudar no 1°ano do ensino médio ate hoje eu não concluir o ensino médio, por receio do colégio.

Hoje tô mais confiante e em 2016 irei voltar a estudar. Porque hoje eu sou uma mulher emponderada e ninguém mais vai me fazer de chacota. E quando me vem uma moça tão linda assim no meu inbox dizendo que sou inspiração e que eu sou o máximo, eu me derreto toda e choro mesmo. Mas essa menina me fez chorar hoje de emoção, em saber que eu estou ajudando de alguma forma.

Sofrer o que eu sofri, levantar a cabeça e me reerguer é maravilhoso, mas quando você é reconhecida assim com tanto amor é 10 vezes mais maravilhoso e prazeroso!

Obrigada ‪#‎GorDiva‬

Eu vou continuar sendo essa pessoa emponderada, liberta e realizada.

Por nossa amiga e leitora Daiana Castro.

 

Depoimento de uma gordinha: Emociante.

Olá, primeiramente gostaria de dizer que me identifiquei muito com o Gordinhas Lindas. Segundo, que é por passarmos por certos constrangimentos que decidimos por minutos emagrecer à qualquer custo. Terceiro, acho que o maior dos pecados que um gordinho comete é culpar qualquer dificuldade a nível psicológico, que, por ventura possam ter, no seu excesso de peso.

O excesso de peso trás dificuldades inimagináveis e reais para o físico. Isto é indiscutível. Mas passar uma vida se culpando ou culpando sua silhueta pra explicar os porquês de suas dificuldades e falhas é o mesmo que colocar a culpa de sua dificuldade financeira em uma empresa que não quis empregá-lo depois de uma entrevista. É ilógico isso. E eu só percebi este fato depois de perder quase 70 quilos achando que eu passaria de abóbora para Cinderela num passe de mágica. O que aconteceu? Uma cabeça com mais pontos de interrogação que texto de pré adolescente em facebook.

Eu vivia uma vida pra lá de complicada. Não saia de casa. Caso saísse, geralmente era acompanhada por pessoas de minha inteira confiança e para locais mais familiares.

Eu andava sempre com a cabeça baixa, meio que olhando para o chão. Vivia ansiosa meio que esperando olhares rejeitosos das pessoas ou ofensas no meio da rua. Não gostava muito de me dirigir à estranhos. O mais estranho nisso tudo é que uma boa metade dessas neuras só aconteciam dentro da minha cabeça. Algumas situações constrangedoras que você passa na vida por causas específicas te põe em alerta geral mesmo se não houver necessidades. Isso acontece com todo mundo independente dos problemas sofridos. Se eles ainda existem, lá estamos nós nos esquivando de tudo e de todos.

Minha infância com bastante sobrepeso foi difícil e minha adolescência, embora um pouco melhor que quando criança, ainda foi bem complicada.

Fora os problemas com auto estima, ansiedade, ansiedade generalizada, depressão e até toc por conta de tamanha ansiedade acumulada, eu não tinha muitos meios de relaxar toda essa tensão do dia a dia e principalmente a preocupação com tudo isso, afinal, mesmo trancada em um quarto ou no conforto do meu sofá vendo tv, meu corpo me alertava sempre que podia, com extremos cansaços (eu mal conseguia ter fôlego para pegar o controle da tv caso esquecesse longe de onde eu estava), falta de ar constante (sempre que eu caminhava, me cansava muito. Mesmo que andasse poucos metros, parecia que tinha percorrido uma distância muito maior ) dificuldades para dormir, para me vestir, enfim, o dia a dia é bem mais cansativo para quem está acima do peso.

Deste jeito, parecia que a única solução para todos os meus problemas era mesmo o emagrecimento. Foi assim que resolvi mais uma vez voltar à cadeira do terapeuta.

Optei por fazer terapia com um psiquiatra, pois além da terapia ele poderia me prescrever ansiolíticos e anti depressivos para ajudar no processo se fosse o caso, além de monitorar meus exames (triglicerideos, colesterol, pressão etc.. aquela baboseira toda).

Enfim, encurtando um pouco essa parte da história, o processo todo fez efeito e deu certo. Em quase dois anos eu havia perdido 68 quilos, uma pessoa!

Eu era totalmente outra, por dentro e por fora.

Eu tomava 7 comprimidos diferentes por dia (para triglicerídeos, colesterol, anti hipertensivos, antidepressivos, etc) por conta das complicações com a obesidade e me vi livre de quase todos eles. Como tenho hipotireoidismo, fiquei apenas com a medicação para controla-lo e o antidepressivo que fora reduzido pela metade no final desses dois anos e o psiquiatra já estava trabalhando comigo para poder enfim, retira-lo também.

Eu sempre odiei academia, e claro, sempre culpei meu peso por isso.

Virei rata de academia. Morava longe de onde eu malhava e ia pra lá sempre à pé para poder andar mais. Praticava 2 horas 3 vezes por semana entre aeróbicas e musculação para enrigecer a musculatura e ajudar no combate à flacidez. Saía de lá e ia caminhar mais umas 2 horas. Mas eu gostava de tudo isso? Não! E para minha surpresa isso não mudou. Eu continuava detestando. Fazia unicamente pela necessidade.

Uma vez me disseram: “não gostar de academia ou idolatra-la não tem muito a ver com o peso. Muita gente magra detesta também. Só vem se forem obrigadas e mesmo assim, abandonam depois de algum tempo. Isso é bobagem. É gosto pessoal e nada tem a ver com o peso.”

Pois é… percebi na prática esta teoria.

Outra coisa que eu tive que sentir na prática foi o fato de que uns 70 a 80% das minhas dificuldades simplesmente permaneceram! Eu não entendi o porquê e fiquei desesperada e sem chão. “E agora?” Eu pensava. “Não há mais nada a se fazer!”

Eu esperava que quando eu perdesse todo meu peso eu ia sair por aí simplesmente “chutando o balde” e estar sempre de bem com tudo e com a vida. Não ia mais ter problema algum e ia me tornar magicamente uma garota calma, tranquila, bem resolvida, segura de tudo, etc, etc e etc. Foi quando eu me toquei de um pequeno detalhe: Eu mudei a numeração do meu manequim e não a minha personalidade! Se fosse assim, pessoas magras seriam “indestrutíveis”, mas todo mundo tem problemas. Algumas neuras desapareceram e então , podia afirmar que era parte das dificuldades que eu enfrentava com a obesidade, mas algumas permaneceram e eu me frustrei um pouco. A impressão que eu tinha é que meu ego trabalhou a questão das minhas falhas e imperfeições (que todo mundo tem) jogando a culpa em outra coisa que aparentemente não havia o que se fazer, então eu podia ficar “tranquila”.

Mas o mais bizarro disso tudo é que se me perguntassem à respeito ou mesmo em depoimentos eu dizia que tudo ia muito bem, muito melhor do que eu previa, que tudo enfim havia mudado e eu era completamente outra, que agora sim eu estava imbatível, intocável, e blá, blá, blá… O que ninguém sabia é que eu escondia do mundo e até de mim mesma estas frustrações que rodeavam meu dia a dia, e, por vezes, eu mesma entrava em negação quanto à isso.

Levei isso tudo para a terapia e meu médico apenas sorria e balançava a cabeça positivamente como se já esperasse por isso. Como se já soubesse disso ou se já tivesse passado por inúmeros casos parecidos. Foi aí que eu pude ver o quão imatura estava minha visão e minha filosofia.

Eu estava linda, deslumbrante. Chamava a atenção e, agora, de uma maneira positiva por onde passava. Era cantada na rua por onde eu fosse e era a garota mais cobiçada nas festas. Havia recebido proposta para fazer um book por uma pessoa que não sabia quem eu era e não sabia do meu passado. Essa vida não combinava com medos, ansiedades, inseguranças… Então, por que é que eu os tinha? Eu realmente estava cansada e sem respostas…

Bom… certa época, acabei passando por essas situações chatas que a vida nos aguarda a qual ninguém está livre. No meu caso foi um desentendimento em família que culminou numa depressão muito intensa e síndrome do pânico. Para completar, acabei descobrindo também na mesma época que meu médico não era lá aquelas flores que ele representava ser e descobri alguns podres e tive que abandonar o tratamento em pleno caos.

De uma pessoa absurdamente ativa que eu estava, fiquei uns 6 meses praticamente acamada. Só chorava, comia e dormia e o meu peso estava aumentando a cada dia. A única pessoa do mundo que me preocupava, que me mareja os olhos d’ água sempre que falo é do meu namorado, hoje, meu esposo. Sempre me apoiou em tudo na vida e sempre esteve do meu lado pra absolutamente tudo mesmo! É tudo pra mim. E foi para os braços dele que corri quando decidi que precisava sair daquele buraco, caso contrário ia acabar não gorda, mas sim, sucumbindo!

Bom, finalizando mais a história, eu acabei voltando quase todo o meu peso inicial. Essa reviravolta e desentendimentos não serviram para absolutamente nada. Nada foi resolvido através dela. As coisas se ajeitaram da maneira como tinham que ser independe de resmungos e outras fúrias. Nada disso adiantou.

Agora, estou correndo atrás do prejuízo, mas é difícil uma vez que já foi provado que a maioria das pessoas que estão acima do peso, não estão porque querem ou por falta de vontade. Elas não estão nestas condições nem mesmo porque tem muita fome. A esmagadora maioria das pessoas comem a mais independente se estão ou não com fome. Comem por pura ansiedade mal dissipada e compulsão. Por isso é tão difícil para muita gente emagrecer.

Mas corro atrás do prejuízo hoje em dia, não pela magia que um corpo esguio me proporcionaria. Isso é passado e já não caio mais nesta conversa. Posso falar isso de carteirinha e não de orelhada, já que senti tudo isso na pele.

Agora, o bem estar físico que o peso correto proporciona, é indiscutível. A qualidade do sono melhora muito, a dificuldade respiratória simplesmente desaparece. A pressão volta a estabilizar, assim como as taxas de glicemia, colesterol e triglicerídeos. Tudo isso é maravilhoso no dia a dia. A saúde. A gente se sente muito melhor mesmo e isso sim não é brincadeira nem exagero.

E é por estes benefícios que eu quero novamente perder peso. Não neuroticamente como antes. Não mais para ficar até abaixo do peso ideal tamanha tensão e vigília para não engordar.

Quero ficar saudável, mas de nada vai me adiantar a mudança no físico se meu psicológico continuar prejudicado.

Quero apenas atingir um peso onde eu possa sentir esses benefícios e nada mais além disso.

Ninguém nem imagina o esforço sobre humano que um ex obeso tem que fazer se quiser continuar magríssimo.

Quero apenas cuidar da minha saúde, e considerarei que já estou com o peso ideal fazendo este controle através dos exames e não mais pela balança e espelhos.

Quero emagrecer para que isto me traga saúde e não ansiedades e aborrecimentos.

Infelizmente na época, não tive ninguém para me contar essas histórias e para me alertar, tive que aprender passando por tudo sozinha. Se tivesse, com certeza teria me poupado muitos perrengues e chateações desnecessárias.

Por isso agora me sinto na obrigação de passar pra frente minha história e minhas experiências. Tudo que eu queria era alguém que tivesse feito o mesmo por mim.

As pessoas precisam bem mais que uma auto estima forjada no modismo atual, nas tendências e no que os outros esperam de você estarem de acordo com o que realmente lhes façam bem.

Concordo que o excesso de peso prejudica e muito as pessoas, como já disse, um peso realmente adequado lhe proporcionará saúde de qualidade, porém isso é pessoal para cada um. Não tem fórmula mágica, nem uma conta mágica que te diga como, onde, quando ficar bem. Você sentirá na pele tais diferenças e qualquer exame te confirmará suas dúvidas.

O emagrecimento tem que ser um sinônimo de alívio e não te trazer mais tensões com vigílias em excesso.

Há um velho, bom e conhecido ditado que diz : “a diferença entre o remédio e o veneno está na dose”.

Esta é minha história.

Um lindo dia pra vocês!

Por nossa amiga e leitora Lari.

Viva intensamente e esqueça os outros!

Um dia perguntaram ao meu esposo:

_ Você vai namorar logo com ela, gordinha assim ? Você sendo viciado em academia!

Aí ele respondeu:

_ Não só namorar, vou casar construir uma família e viver ao lado dela, porque ela pode fazer o que você jamais irá fazer um dia, que é me fazer feliz …

E hoje fazemos 6 anos e 2 meses de puro amor.

Isso serve de lição para alguns homens e mulheres, que as vezes deixam de ser felizes por medo do que os outros irão pensar…  Viva intensamente e esqueça os outros.

Vai ser feliz!

Te amo Wagner silva (gente essa história é realmente verdadeira, aconteceu mesmo com a gente ).

Por nossa leitora Talita.

Estaremos desfilando no Chiquérrima Mix

Amigos, eu ( Renata Lara), Carla Leal, Patricia Quental, e Mirela Ferreira estaremos desfilando para a loja Speciale Moda Plus Size no evento Chiquérrima Mix no Ondina Apart Hotel, Salvador/BA,  às 19:00 horas.

Compareçam, aproveitem para conferir ofertas e produtos lindos, lá você encontrará moda plus size, feirinha, gastronomia e muito mais, o evento será nos dias 03 e 04 de outubro, com início às 10:00 horas, entrada franca.

Espero todos vocês, beijos plus.

Por Renata Lara, modelo plus size.